DiaRiuM
wilt
08.05.2011arquivado em: DiaRiuM 0
wilt

- Em que sentido é que não é domesticado?
– Peido-me na cama, doutor Pittman. Gosto de me peidar na cama. É o toque de clarim do macaco antropóide que há em mim a afirmar o seu instinto territorial da única maneira possível.

página 211

Já por diversas vezes tinha a intenção de ler “Wilt” de Tom Sharpe; no final a escolha ia para outro lado. Quando vi a semana passada que Tom Sharpe já tinha editado um 5º Wilt comprei o primeiro livro da série para não perder mais tempo.

“Wilt” é um livro por demais divertido. Já o deveria ter lido à mais tempo. O humor é delirante e as situações em que o nosso Wilt se coloca são tão impossíveis que se tornam sem dificuldade possíveis tal a mestria como são contadas. “Wilt” é uma verdadeira anedota a desfolhar.

imagem (1)
descrição: capa do livro “Wilt” de Tom Sharpe
título original: Wilt
tradutor: Ana Mafalda Telo
editor: Teorema, 5º edição (abr.2011)
isbn: 978-972-695-963-2

deixar uma resposta





nota: o autor do blog reserva-se o direito de não responder a comentários porque o tempo que lhe resta depois de trabalhar no blog, testar a qualidade de petiscos, degustar cervejas, ressonar, beber sequiosos dry martini, e fazer outra coisas bué de boas é muito pouco.

  • copyright © 1999.2014 porta VIII. all rights reserved | todos os direitos reservados.
  • porta VIII é corajosamente alimentado pelo wordpress
são regularmente gastos na produção e manutenção deste blog uns bons pedaços de caldo, suaves e frutadas cervejas.